Minha foto
Advogado com atuação exclusiva na área de direito médico e da saúde. Especialista em Responsabilidade Civil na Área da Saúde pela FGV-SP. Pós-graduado em Direito Médico e da Saúde. Coordenador do curso de Pós-graduação em Direito Médico da Escola Paulista de Direito (EPD). Presidente da Comissão de Direito Odontológico e da Saúde da OAB-Santana/SP. Docente convidado dos cursos de Especialização em Odontologia Legal da FORP-USP (Ribeirão Preto/SP), da ABO-GO (Goiânia), da ABO-RS (Porto Alegre) e da FO-USP (São Paulo/SP). Docente convidado da FUNDECTO no curso de Perícias e Assessorias Técnicas em Odontologia. Docente convidado do curso de Bioética e Biodireito do HCor. Docente convidado de cursos de Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde (Einstein, Inspirar e UNISA). Especialista em Seguro de Responsabilidade Civil Profissional para Médico, Cirurgião-dentista, Hospital e Laboratório. Autor da obra: "COMENTÁRIOS AO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA - Resolução CFM nº 1.931/2009". Mestrando em Odontologia Legal e Deontologia pela UNICAMP (FOP).

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Sabrina Parlatore fala sobre o erro médico que atrasou seu diagnóstico de câncer no programa de Daniela Albuquerque

Neste domingo (16), a apresentadora Sabrina Parlatore deu uma entrevista a Daniela Albuquerque no programa Sensacional, da RedeTV! Em março, ela se curou de um câncer de mama, mas revelou que foi vítima de um erro médico, que atrasou o diagnóstico. “Estava bem pequeno, mas, mesmo assim, a médica do laboratório indicou a realização de uma biópsia. Mas o ginecologista que eu passava na época achou que não precisava, já que a mamografia não tinha acusado nada”, contou. “Foi uma comida de bola do médico. Depois disso, aprendi a não confiar em qualquer médico, até porque tem médico que erra, sim”, completou.

A ex-VJ da MTV detectou um nódulo no seio em um exame em 2014, mas na época, o médico descartou a necessidade de fazer uma biópsia. Ela só descobriu o câncer depois de um auto exame. “Foi um baque, um susto enorme, e foi um momento dificílimo na minha vida. Graças a Deus eu senti esse caroço e consegui pegar a tempo. Em menos de uma semana eu já estava com o diagnóstico de câncer de mama”, ela disse.

A pior parte foi a quimioterapia. “É horrível. Tudo o que a gente ouve dizer que é muito forte, é isso e mais. É um mal-estar geral.”

Apesar do desconforto, Sabrina sempre se manteve otimista. “Tinha uma vontade muito grande de viver e lutar por isso, mas vem também uma coisa assim: vou fazer tudo o que estiver ao meu alcance, mas se não for possível, o que eu vou fazer? Tenho que aceitar. Você começa a entender e aceitar um pouco a morte, vem uma serenidade”, definiu.

Fonte: VejaSP